A INTERNET E OS JOVENS



De acordo com os dados fornecidos pelo Instituto Nacional de Estatística, 87% dos estudantes portugueses utilizam o computador e, destes, 75% ligam-se à Internet. Refere ainda a mesma estatística que 45% destes alunos o fazem em equipamentos existentes em suas casas.

Estes números se, por um lado, indicam uma evolução tecnológica muito satisfatória por outro obrigam-nos a constatar que um número cada vez maior de jovens está sujeito não só aos aspectos positivos da Internet mas também aquilo a que já se chama o seu "lado negro" ou seja os "sites que contém referências a pornografia, violência ou promoção de drogas e álcool.

Igualmente a participação em formas de discussão e o envio de dados pessoais tem servido para aliciar crianças para redes de pedofilia.

Esta situação, que é real e preocupante, obriga a uma permanente atenção dos educadores que agora dispõem para os ajudar de software para filtragem de conteúdos. Demonstrando que o problema é já universal a "Internet Conttent Rating Assotiation ", organização que congrega algumas das maiores companhias mundiais de serviços na Rede, disponibiliza, gratuitamente, um software de filtragem de conteúdos.

Entre nós estão disponíveis alguns programas para o mesmo fim cuja qualidade, segundo um estudo da "Proteste", pode ser conhecida consultando http://www.deco.proteste.pt/, o que vivamente se aconselha.

Adiantam-se, ainda, mais alguns programas com o mesmo fim:

cybersitter: www.solidoak.com

cyber patrol : www.cyberpatrol.com

e-optinet : www.optinet.com

                   www.netnanny.com

                   www.cybersnoop.com

                   www.thebair.com


Frisando de novo que nada pode substituir os Pais e Educadores na supervisão dos conteúdos que os jovens visitam na Internet julga-se que estes softwares lhes poderão proporcionar ajuda relevante.